Todas as Cidades
Histórico
Chuvas

Um Agro de respeito

14/07/2020

Um Agro de respeito
Família de Waldemar Wiedtheuper é uma das entrevistadas na edição especial sobre o cooperativismo no Jornal da Cotrijal (Clique para ver mais imagens)
Para os Sandri, de Colorado, a Cotrijal facilita trabalho no campo Os Lasch, de Victor Graeff: firmes com a Cotrijal Os Bevilaqua de Pontão: melhor parceria Ao redor do fogão a lenha, a família Guadagnin compartilha o mate, coloca os assuntos em dia Vilson Lavall, de Tapera: “É o porto seguro para o associado”

O produtor da Cotrijal é especial. Conquista pelo seu jeito simples, incansável, disciplinado. Nos 32 municípios onde a cooperativa atua, são mais de 7,8 mil associados que entram em campo para fazer bem-feito, o melhor, mesmo em ano adverso. Nesse grupo, não falta quem tenha construído um legado inspirador. O produtor Waldemar Wiedtheuper, 83 anos, da Agropecuária Wiedtheuper, de Não-Me-Toque, é um deles. 

 

Cooperativista raiz, de carteirinha, seu Waldemar cresceu junto com a cooperativa. E valoriza isso. Bastam poucos minutos de conversa para perceber a sua paixão pela agricultura e pela Cotrijal. “Tenho toda a confiança na cooperativa. Ajuda o produtor e sem olhar tamanho de lavoura. Se tivesse que dar uma nota, seria 10”, afirma, orgulhoso.

Do tipo que conquista a todos, o descendente de alemães enveredou para a agricultura por vocação. “Comecei trabalhando em granja. Depois, comprei uma dúzia de hectares e virei produtor. Tudo era braçal. A colheita com rebocada, a curva de nível feita a olho e o inço arrancado a muque. Não tinha essas facilidades de hoje”, recorda ele, que garante ter aprendido a usar as tecnologias corretas com o apoio da Cotrijal.

Aos 83 anos e bem-disposto faz questão de acompanhar de perto o vai e vem de máquinas nas lavouras e o planejamento de cada safra. Confia no time que tem a campo. Pela cooperativa, tem a assistência do engenheiro agrônomo Robinson Barboza, e na gestão dos negócios, o trabalho eficiente e dedicado do genro Nercisio Schmidt, 60, e da neta Gabriela, 29. “É a minha sorte. Isso me deixa muito feliz”, comenta, com empatia e gratidão.
 
Ele também fala com gosto e faz questão de exaltar o trabalho da equipe que atua na propriedade. Alguns, inclusive, já estão com ele por mais de uma geração. Quer que todos cresçam junto. Com lavouras em Não-Me-Toque, Victor Graeff, Lagoa dos Três Cantos e Santo Antônio do Planalto, investe em precisão e novas tecnologias.

Waldemar representa bem esse Agro responsável, pulsante e inovador e que faz a Cotrijal ser uma referência para outros agricultores e o setor. Um cooperativismo profissional e apaixonado que inspira dentro e fora da porteira.

Veja a reportagem completa na edição de julho do Jornal da Cotrijal.

 

Confiança não se compra, se constrói 

Para a Cotrijal é um orgulho ter ao lado produtores como Waldemar Wiedtheuper e tantos outros que acreditam no cooperativismo e dão exemplo de gestão e empreendedorismo. 

É consenso entre os agricultores atendidos pelas 55 unidades dos 32 municípios que a cooperativa impulsiona resultados, semeia união e agrega sonhos. Uma parceira de respeito e que traz tranquilidade para ambas as partes, ainda mais em anos de frustração de safra, de pandemia e outros tantos desafios.
 
Para o presidente da Cotrijal, Nei César Manica, é gratificante quando o produtor vê na cooperativa boas oportunidades, como sócio, e olha além do que é do seu interesse. “Não tem sistema que remunere melhor o campo. A gente fica feliz de ver como o produtor valoriza esse suporte, a segurança, a boa assistência, os produtos e o conhecimento diferenciado que chegam até ele. O nosso cooperado sabe que pode contar com a Cotrijal sempre”, afirma. 

Uma confiança que, segundo o dirigente, pode ser medida pela contratação de serviços como o Seguros Cotrijal. Somente no último ano, foram 49.616 hectares em área segurada. “Credibilidade e confiança não se compra, se conquista. E o seguro é uma das facilidades que a Cotrijal oferece aos associados e que dá tranquilidade tanto para a cooperativa como para o produtor”, destaca. 

Na região da cooperativa, muitos agricultores enfrentaram dificuldades na safra de verão, em função da seca. Na soja, a produção encolheu em 34,2% e no milho, 35,8% em relação a 2018/19. Mais uma vez a Cotrijal entrou em campo e fez a diferença para o seu associado.

“Trabalhamos sempre pelo coletivo. Graças a nossa solidez e ao bom relacionamento com as instituições financeiras, conseguimos dar todo o suporte para os agricultores quem trabalham o ano todo com a cooperativa, renegociando dívidas, ajustando prazos”, informa.

 

Sempre ao lado e atenta

O vice-presidente, Enio Schroeder, fica feliz de ver o produtor, que construiu essa história junto com a cooperativa, crescendo. Ele tem prazer de ver o agricultor satisfeito e os mais novos também já reconhecendo a força da Cotrijal. “A Cotrijal está permanentemente atenta às necessidades dos associados e buscando soluções”, ressalta.

Ele destaca ainda que a Cotrijal só é forte porque tem um quadro social fiel, que caminha na mesma direção. “O verdadeiro cooperativismo se faz na prática. Esse ano, mesmo com todas as dificuldades, graças ao suporte da Cotrijal, o produtor pôde dar sequência ao seu planejamento. Sabe que juntos, cada um fazendo a sua parte, vamos longe”, enfatiza. 

Fonte: Assessoria de Imprensa da Cotrijal


Um Agro de respeito Para os Sandri, de Colorado, a Cotrijal facilita trabalho no campo Os Lasch, de Victor Graeff: firmes com a Cotrijal Os Bevilaqua de Pontão: melhor parceria Ao redor do fogão a lenha, a família Guadagnin compartilha o mate, coloca os assuntos em dia Vilson Lavall, de Tapera: “É o porto seguro para o associado”